Psicoeducação!

 

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde a prevalência total dos transtornos psiquiátricos no período de um ano varia de 4% a 26%, ou seja, conforme o país avaliado 1 em cada 4 pessoas podem apresentar algum transtorno psiquiátrico; milhões de pessoas atingidas . Daí a escolha do tema desse post: PSICOEDUCAÇÃO !

O QUE É?

A psicoeducação envolve diferentes teorias psicológicas e educativas, além de dados teóricos de outras disciplinas como a filosofia e a medicina com intuito de ampliar o fornecimento de informações ao paciente, para que obtenha um entendimento não fragmentado acerca de seu diagnóstico. A parte psico se refere ao âmbito das teorias e técnicas psicológicas existentes; a educação, por sua vez, está relacionada à área pedagógica a qual envolve o processo de ensino-aprendizagem.

Ao educar tanto o paciente quanto seus cuidadores sobre o transtorno psiquiátrico presente, todos passam a ter consciência e melhor preparo para lidar com as mudanças que virão a partir de estratégias de enfrentamento, fortalecimento da comunicação e da adaptação. Funciona como facilitadora do processo terapêutico.

Assim, a maneira mais efetiva para auxiliar as pessoas é ensiná-las a se ajudarem, propiciando conscientização e autonomia.

IMPORTÂNCIA

Os transtornos psiquiátricos são problemas de saúde pública, pois ao serem abordados como tabu são um mal silencioso. Nunca é demais lembrar que já estão entre as 3 primeiras causas de perda de funcionalidade e afastamento/aposentadoria do trabalho.

Ao fugirem do assunto por medo ou desconhecimento, as pessoas acabam negando seu adoecimento, ou não percebendo a instalação do transtorno psiquiátrico em entes próximos. Além disso, até quando esse transtorno é diagnosticado por um profissional competente, aquele muitas vezes é ridicularizado ou desacreditado com discursos do tipo: “isso não é nada …”, “você precisa ser forte …”, “doença mesmo foi quando eu …”; em última instância, ocasionando sofrimento ainda maior para os pacientes.

Daí um exemplo marcante da importância desse recurso, está em um dado fornecido pela OMS, que mostra que 9 em cada 10 casos de suicídio poderiam ser prevenidos. Portanto, além da pessoa buscar ajuda e atenção de quem está à sua volta, é necessário que ela os encontre.

EXEMPLOS DE SUA APLICAÇÃO:

No Brasil, existem cartilhas:

Cartilha “Vamos conversar sobre bullying e ciberbullying”

Cartilha “Vamos conversar sobre a prevenção do suicídio”

Cartilha “Vamos conversar sobre a prevenção da automutilação”

E campanhas como o Janeiro Branco e o Setembro Amarelo que usam a PSICOEDUCAÇÃO para tentar atingir seus objetivos; respectivamente, a própria psicoeducação e a prevenção do suicídio.

Por fim, é possível encontrar livros com a temática, e que são muito úteis no manejo dos transtornos psiquiátricos; abaixo alguns exemplos:

  • A Mente Vencendo o Humor (Greenberger & Padesky; Artmed)
  • Vencendo o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (Cordioli et al.; Artmed)
  • Medos, dúvidas e manias (Torres et al.; Artmed)
  • Vencendo o Transtorno Bipolar com a Terapia Cognitivo-Comportamental – Tratamentos que funcionam: Manual do Paciente (Basco; Artmed)
  • Entre a Razão e a Ilusão: Desmistificando a Esquizofrenia (Assis et al.; Artmed)
  • Prevenção ao Uso de Álcool e  Drogas – O que cada um de nós pode e deve fazer? (Diehl & Figlie; Artmed)

Vejam o quanto o tema já foi abordado nos mais variados quadros. Agora, caso você ainda não tenha encontrado um material que aborde determinado estressor em particular, questione o seu terapeuta. Sempre existe a possibilidade de haver um ou mais materiais de psicoeducação disponíveis.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como Psiquiatra em Uberlândia. 

 

Fonte:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2017000100002.

http://www.who.int/eportuguese/publications/Integracao_saude_mental_cuidados_primarios.pdf?ua=1

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *